Como a obesidade infantil está relacionada ao sobrepeso na vida adulta?

Já percebeu que, em muitas ocasiões, pessoas que tiveram dificuldades com a balança desde os primeiros anos de vida carregam essa luta até a idade adulta? Isto não acontece por acaso. A obesidade infantil aumenta as chances e eleva o risco do sobrepeso se perpetuar ao longo da vida. As condições estão ligadas tanto aos hábitos alimentares quanto a questões genéticas.

 

Hoje, a obesidade é uma verdadeira epidemia e já atinge boa parte da população de até 12 anos incompletos. Por isso, a preocupação com o peso deve sim ser um motivo de atenção dos pais desde os primeiros anos de vida de seus filhos, uma vez que é comum se propagar um estereótipo de que uma criança “gordinha” está saudável, o que não é necessariamente verdade.

 

O peso ideal deve respeitar o cálculo do IMC. Por isso, é fundamental procurar um pediatra para fazer o cálculo certo da taxa de peso que seu pequeno deve se enquadrar. Ao controlar a obesidade desde a infância, é possível estimular uma vida mais saudável e mais ativa no futuro, com menos propensão ao sobrepeso e a todas as doenças relacionadas à obesidade. Sabia mais:

 

As causas: uma teia de muitos fatores

 

Apesar de ser uma doença fundamentalmente genética que pode causar uma variabilidade do peso corporal em até 80%, sabemos que a epidemia da obesidade em nossa sociedade tem uma influência marcante de vários fatores ambientais. 


Iniciando na infância a amamentação (que é um fator protetor de ganho de peso), o status socioeconômico, influências alimentares, atividades recreativas deficientes, assim como espaços para recreação e opções alimentares no ambiente doméstico ou escolar podem ser fatores decisivos para o ganho de peso, desde que haja uma base genética que predisponha para a obesidade. Mas saibam que não há genética que faça a criança engordar sem comida.

 

Os pais como agentes na prevenção

 

São os adultos, mais especificamente os pais, que precisam controlar a alimentação dos pequenos. Em razão disso, é fundamental incentivar a alimentação saudável, principalmente nesta fase em que as chances de adquirir uma condição de obesidade estão mais propensas. 


As refeições em família, o preparo da comida com a ajuda das crianças e a mudança de hábitos envolvendo os moradores de um mesmo lar costumam ser eficazes contra o sobrepeso ainda na infância. Além disso, os pais precisam estimular a atividade física desde cedo e combater o sedentarismo, incentivando mais brincadeiras ao ar livre e jogos em grupo.

 

Mudança de hábitos


Como já discutimos, o ideal para evitar que as crianças fiquem acima do peso desde os primeiros anos é incentivar uma mudança na alimentação e nos hábitos. Busque, mesmo que haja uma resistência inicial, praticar atividades recreativas com seu filho pelo menos duas a três vezes por semana. Em paralelo, procure regrar a alimentação e faça que comam a cada três horas para evitar que cheguem com muita fome nas principais refeições.


E não custa lembrar: evite alimentos ultraprocessados (como massas instantâneas, biscoitos recheados, salgadinhos industrializados e refrigerantes) e incentive o consumo de água ou suco natural, preferencialmente sem adição de açúcar. A reeducação alimentar deve ser o principal ponto a ser conduzido pela família para a resolução do problema.


Quer saber mais sobre o tratamento da obesidade? Siga-nos em nossas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações: estamos no Facebook, no Instagram e no Linkedin.

 

Confira também
Por que a obesidade é fator de risco para o câncer?
Como o excesso de gordura pode prejudicar a respiração?
Fique atento: com obesidade, até andar fica difícil