Por que a obesidade é fator de risco para o câncer?

Durante anos, houve uma desconfiança entre médicos especialistas em tratar diversos tipos de câncer quando a doença tinha alguma relação direta com o sobrepeso. Em muitos casos, pessoas que não tinham propensões hereditárias e nem costumavam ter hábitos que poderiam potencializar o surgimento da enfermidade (fumo ou contato com substâncias radioativas, por exemplo), costumavam desenvolver a doença. O que havia de comum entre elas é que a maioria estava acima do peso.


A partir de então, muitos estudos foram realizados e o elo foi constatado: de fato, a obesidade facilita a ocorrência do câncer. Cientistas e profissionais da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que pelo menos 14 tipos de câncer estão relacionados diretamente à obesidade.


Tipos de câncer


Uma pesquisa inédita realizada pelo departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) confirmou que a obesidade e o excesso de peso estão associados ao aumento do risco de câncer que atingem a mama na pós-menopausa (o principal tipo nas mulheres), o cólon, o reto, o endométrio (útero), a vesícula biliar, o rim, o fígado, o ovário, a próstata (o principal nos homens), o esôfago, o pâncreas, o estômago e a tireóide. Além do risco mais elevado de mieloma múltiplo.


A gordura corporal em excesso causa um estado de inflamação crônica no organismo, além de alterações de determinados hormônios que promovem o crescimento de células cancerígenas.


Câncer em mulheres em homens


A obesidade pode influenciar, por exemplo,  o surgimento do câncer de mama nas mulheres, uma vez que altera a quantidade de estrogênio produzido pelo organismo. Quando é chegada a menopausa, os ovários deixam de produzir esse hormônio e o tecido adiposo passa a ser a fonte de estrogênio.


Nos homens, a obesidade tende a reduzir a produção da testosterona, fazendo com que  haja maior prevalência no surgimento do câncer de próstata. Além disso, o aparecimento do câncer de cólon e reto é uma das principais razões decorrentes do aumento da produção de insulina causado pelo excesso de peso.


Também causada pela obesidade, a elevação da pressão arterial pode aumentar os riscos de câncer no rim. O histórico de refluxo gastroesofágico, comum em pessoas com sobrepeso, ainda pode aumentar a chance de câncer de esôfago.


Como prevenir essa epidemia?


Apesar de difícil, a receita é simples: manter hábitos de vida mais saudáveis, atrelando uma rotina que inclua exercícios físicos, ou seja, deixar o sedentarismo de lado e buscar uma alimentação saudável, priorizando a alimentação tradicional em detrimento dos alimentos prontos, principalmente os ultraprocessados. Assim, para reduzir o risco de diversos tipos de câncer, de  acordo com a American Cancer Society, é preciso ser o mais magro possível ao longo da vida, mas sem estar abaixo do peso, uma vez que a magreza excessiva também pode contribuir para o aparecimento do câncer.


Portanto, quanto mais você demorar a emagrecer, mais estará propenso a doença. Em casos mais avançados, a cirurgia bariátrica pode ser a solução mais eficaz eficaz no controle da obesidade e, consequentemente, na prevenção dos diversos tipos de câncer. sempre considerando o acompanhado de uma equipe multidisciplinar qualificada. Saiba quando a Cirurgia Bariátrica é mais indicada clicando aqui.


Quer saber mais sobre cirurgia bariátrica? Siga-nos em nossas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações: estamos noFacebook, no Instagram e no Linkedin.


Confira também
Como o excesso de gordura pode prejudicar a respiração?
Fique atento: com obesidade, até andar fica difícil
Como a cirurgia bariátrica auxilia na gravidez mais segura