Fique atento: com obesidade, até andar fica difícil

Para a maioria das pessoas, praticar exercícios, trocar de roupa, subir escadas ou fazer curtas caminhadas são tarefas simples e corriqueiras. Entretanto, para quem tem obesidade, essas e muitas outras tantas atividades acabam sendo árduas e incômodas. Afinal, além do diabetes tipo 2, doenças do coração, pressão alta e câncer, a obesidade tende a causar sérias complicações ortopédicas, que afetam o dia a dia de quem sofre com a doença.

 

Obesidade e dores articulares

 

No geral, pessoas com obesidade sofrem com dores musculares em todo o corpo devido a problemas nas articulações, dificultando a devida locomoção e os movimentos simples. A explicação é que os músculos e articulações são projetados para suportar até um limite fisiológico de sobrecarga.

 

Uma vez que há grande acúmulo de gordura sem o devido fortalecimento da musculatura, o sobrepeso nas articulações causa uma série de complicações. Entre elas, estão lombalgias, tendinites, artrites e artroses, que podem afetar os quadris, os joelhos, os tornozelos e a coluna lombar.

 

Dor na região lombar

 

A dor lombar tende a surgir devido ao excesso de peso. Sendo o nosso pilar de sustentação, a coluna é afetada diretamente, podendo desenvolver e apresentar sérias dores crônicas, desvios, má postura e o comprometimento dos discos intervertebrais. Pessoas com sobrepeso e que passam boa parte do dia sentadas, por exemplo, são as que possuem maior disponibilidade para sentirem o incômodo. Portanto, é preciso ficar atento ao aumento de peso para evitar excesso de carga e estresse na região.

 

Alterações de membros inferiores

 

A obesidade é uma das principais causas de lesões nos joelhos e nos pés. Ao longo dos anos, a sobrecarga na região pode causar sérias complicações, como tendinopatias crônicas (inflamações dos tendões), desgaste dos meniscos (“amortecedores” do joelho) e principalmente da cartilagem. Quando progressivas, as alterações na cartilagem dos joelhos podem levar a um quadro de artrose, causando dor extrema e incapacidade funcional. Além disso, quanto maior a pressão sobre o pé, maior a probabilidade de dor.

 

Dificuldade para andar, subir escadas ou praticar exercícios são as principais queixas de quem sofre com o problema. Porém, acredita-se que ao perder 10% do peso corporal, é possível aliviar a dor no joelho de pacientes com artrose, principalmente em pessoas idosas.

 

Bariátrica como solução

 

Todas as patologias ortopédicas costumam melhorar em decorrência da perda de peso. Quanto menor for o peso do indivíduo, menor será o esforço exigido dos músculos, tendões e articulações para se movimentar, garantindo a realização de tarefas diárias e exercícios físicos de maneira a não causar tanto desconforto. É preciso lembrar que o quanto mais precoce você conseguir controlar o seu peso, menor será o desgaste sobre as articulações.

 

Como forma de controlar a obesidade e, consequentemente, os problemas ortopédicos correlatos, a cirurgia bariátrica pode ser uma solução eficaz, uma vez que, após o procedimento, o paciente percebe uma mudança radical de vida e o melhor controle a longo prazo do seu peso, associado a uma melhor qualidade de vida. Lembre-se que o acompanhamento com uma equipe multidisciplinar é fundamental.

 

Saiba quando a Cirurgia Bariátrica é mais indicada clicando aqui.

 

Quer saber mais sobre cirurgia bariátrica? Siga-nos em nossas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações: estamos no Facebook, no Instagram e no Linkedin

Confira também
Como a cirurgia bariátrica auxilia na gravidez mais segura
Mais que uma opção do paciente, bariátrica é uma recomendação médica
Obesidade infantil: não deixe que o problema seja para a vida toda