Como a cirurgia bariátrica auxilia na gravidez mais segura

Como a cirurgia bariátrica auxilia na gravidez mais segura

O percentual de mulheres com obesidade tem sido maior que o de homens no Brasil, de acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O estudo, realizado em 2017, apontou que a proporção de mulheres obesas acima de 18 anos é de 25,2%, enquanto a de homens equivale a 17,5%. 

Além de complicações como diabetes, problemas cardiovasculares, cânceres e hipertensão arterial, a obesidade causa sérias complicações que afetam diretamente o sonho de boa parte da população feminina: ser mãe. Por isso, a cirurgia bariátrica é uma das opções que permitem que mulheres com obesidade possam engravidar com mais facilidade, segurança e saúde.

Obesidade e complicações na gestação

Estima-se que cerca de 50% das cirurgias bariátricas são realizadas em mulheres em idade fértil, muitas delas com dificuldade de engravidar, já que obesidade afeta a ovulação e a regulação hormonal, podendo causar infertilidade. As mulheres com obesidade também estão mais suscetíveis a problemas como a desregulação dos ciclos menstruais ou amenorréia (ausência de fluxo menstrual), à diabetes, à hipertensão e a doenças coronarianas.
 
Mesmo perante uma gravidez, o excesso de peso durante a gestação está associado a complicações como pré-eclâmpsia (pressão arterial elevada) e diabetes gestacional, que colocam em risco tanto a saúde da mãe quanto a do bebê, podendo até mesmo levar a um aborto espontâneo ou complicações importantes para mãe e feto durante o trabalho de parto. Estudos apontam, ainda, que engravidar com grande excesso de peso aumentam os riscos de a criança sofrer com a obesidade no futuro.

Bariátrica e gestação

A opção da cirurgia bariátrica para mulheres com obesidade que buscam engravidar pode ser indicada para estimular a fertilidade e diminuir as chances de que a futura mãe tenha diabetes gestacional, eclâmpsia, parto prematuro ou aborto espontâneo. Entretanto, é preciso seguir algumas orientações médicas e cuidados necessários para garantir uma gravidez segura e saudável. 

A principal recomendação: a gravidez deve ocorrer somente após 18 meses da operação, para que o emagrecimento tenha estabilizado e o corpo da mulher esteja preparado para novas mudanças. A gestação também precisa ser programada e assistida com acompanhamento não apenas do obstetra, mas também do cirurgião que a operou, de um endocrinologista e de uma equipe de nutrição para adequar a ingestão de suplementos vitamínicos e assegurar o fornecimento de todos os nutrientes importantes para o desenvolvimento do bebê e para a saúde da mãe.

Bariátrica após a gravidez

Após a gestação, momento em que a mulher normalmente ainda apresenta excesso de peso, a cirurgia bariátrica não é indicada como forma de ajudar a mãe a reestabelecer o peso pré-gestacional. Aconselha-se a mãe que amamente seu filho e recupere-se do parto, por um período mínimo de 6 meses para que seu organismo volte a rotina habitual. Em todo caso, a redução do estômago só poderá acontecer de acordo com avaliação médica, depois que a mãe se recuperar completamente do parto.

Quer saber mais sobre cirurgia bariátrica? Siga-nos em nossas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações: estamos no Facebook, no Instagram e no Linkedin.

Confira também
Mais que uma opção do paciente, bariátrica é uma recomendação médica
Obesidade infantil: não deixe que o problema seja para a vida toda
Tabagismo associado a obesidade e hipertensão são os maiores riscos para a saúde global