Mais que uma opção do paciente, bariátrica é uma recomendação médica

Os números que apontam o sobrepeso da população têm sido alarmantes nos últimos anos. No Brasil, mais metade das pessoas está acima do peso ideal, fazendo com que a obesidade seja considerada um problema de saúde pública. O Ceará, por exemplo, desponta como o 10º estado com a maior quantidade de pessoas acima do peso em todo o país.


Em busca de controlar esses números, um dos procedimentos indicados é a cirurgia bariátrica. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), cerca de 5 milhões de brasileiros atendem aos requisitos necessários para passar por algum dos tipos do procedimento, mas muitos tardam em buscar o tratamento ou desconhecem que estão aptos a serem operados.


Por onde começar?


A primeira opção para tratar a obesidade deve ser o acompanhamento clínico, que inclui controle da alimentação, atividades físicas e a conscientização do paciente para experimentar hábitos de vida mais saudáveis. Somente nos casos em que o tratamento clínico se mostra ineficaz por pelo menos dois anos e quando a obesidade traz prejuízos à saúde e ao cotidiano do paciente, o tratamento cirúrgico deve ser considerado.


Nessa etapa, a cirurgia bariátrica garante resultados mais eficazes e positivos no controle da obesidade, mas é preciso haver uma preparação completa do paciente para evitar o reganho de peso e outras complicações futuras. O procedimento exige uma conscientização do indivíduo, que deve entender o processo que passará antes e após a cirurgia, sobretudo quanto a sua reeducação de hábitos alimentares. Por esse motivo, é imprescindível o trabalho em conjunto de uma equipe multiprofissional, que deve ser composta não só pelo cirurgião, mas também por endocrinologistas, nutricionistas, educadores físicos e a psicólogos.


Além disso, é importante destacar que o paciente precisa estar inserido em uma série de diretrizes estipuladas pelo Conselho Federal de Medicina (CMF) para que a cirurgia bariátrica seja realizada. O procedimento é indicado a pacientes acima de 18 anos, com IMC acima de 40 kg/m² ou maior que 35 kg/m² quando há doenças relacionadas, como diabetes e hipertensão.


Bariátrica para obesidade mórbida


Nos casos de obesidade mórbida, considerada um dos grandes motivos de morte devido a doenças causadas pelo sobrepeso, a cirurgia bariátrica é o tratamento mais indicado. Os resultados obtidos com o procedimento tem se mostrado efetivos na manutenção de peso do paciente a longo prazo e no controle das doenças associadas, o que melhora consideravelmente a qualidade de vida do indivíduo.


Na lista de benefícios, aparecem a prevenção e melhora em casos de diabetes, hipertensão, hiperlipidemia, anormalidades cardiorrespiratórias, artrites e apneia do sono. O paciente também passa a ter menos necessidade do uso de medicamentos para tais enfermidades, além de apresentar menores chances de sofrer infarto agudo do miocárdio, derrame, tromboses e diversos tipos de câncer, como de mama, útero e cólon.


Quer saber mais sobre cirurgia bariátrica? Siga-nos em nossas redes sociais para acompanhar as nossas atualizações: estamos no Facebook e no Instagram.


Confira também
Obesidade infantil: não deixe que o problema seja para a vida toda
Tabagismo associado a obesidade e hipertensão são os maiores riscos para a saúde global
Os benefícios da prática regular de exercícios físicos para a saúde