Em dez anos, obesidade e diabetes crescem 60% no Brasil

A obesidade é considerada uma epidemia global pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Só no Brasil, por exemplo, são registrados 18 milhões de casos, segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). Em apenas dez anos, o índice de obesidade nacional cresceu 60%. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde na Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), e representam o período entre 2006 e 2016. De acordo com o estudo, um a cada cinco brasileiros se encontram acima do peso.

A obesidade sempre anda acompanhada. A condição favorece uma série de complicações, e doenças, como o diabetes, apresentam maior possibilidade de desenvolvimento. É o que mostra o levantamento do Ministério Público. Segundo a pesquisa, durante o período avaliado, diabetes e obesidade cresceram na mesma proporção. Isso ocorre porque o excesso de peso modifica o funcionamento corporal. Dessa forma, a demanda de insulina aumenta e o risco de desenvolver diabetes aparece.

Como o diabetes se desenvolve?

O diabetes nada mais é do que a insuficiência de insulina para a demanda do organismo. Enquanto o tipo 1 está mais ligado a fatores genéticos, o tipo 2 da doença é o que pode ser desenvolvido a partir da obesidade e evoluindo com o tempo. O abuso de carboidratos e doces e o sedentarismo favorecem o acúmulo de gordura corporal, aumentando a necessidade de insulina. Assim, a produção natural da substância não acompanha a demanda, além de poder tornar o indivíduo resistente ao hormônio.

Prevenção e tratamento

Felizmente, quando ligada à obesidade, a diabetes pode ser facilmente controlada. Tanto a prevenção como o tratamento da doença consistem na adoção de hábitos saudáveis, com uma alimentação balanceada e a prática regular de exercícios físicos. Para isso, o acompanhamento profissional é imprescindível. A nova rotina permite uma perda de peso importante, tornando a produção de insulina e a demanda correspondentes.  

Você sabia?

Desde dezembro de 2017, o Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou a cirurgia metabólica como tratamento para diabetes tipo 2. O método apresenta o mesmo procedimento que a cirurgia bariátrica, diferenciado-se por não ter a perda de peso como objetivo principal.