Indicações para a realização da cirurgia bariátrica

A cirurgia bariátrica vem sendo apresentada, em algumas ocasiões, como a “solução ideal” para casos de obesidade grau III e grau II associado a duas comorbidades. No entanto, é preciso observar que existem indicações específicas e restrições que vão desde as comorbidades relacionadas e os riscos que elas representam, até a idade e o tempo da doença. 

Esses são fatores que podem influenciar no sucesso da cirurgia e da recuperação saudável do paciente. Confira mais detalhes sobre as indicações para se submeter ao procedimento cirúrgico, conforme informações da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM).

Massa corpórea

Desde janeiro de 2016, o Conselho Federal de Medicina (CFM) determinou novas regras para a autorização da cirurgia bariátrica.  

A principal recomendação é para pacientes com índice de massa corporal (IMC) igual ou maior que 40, independentemente da presença de comorbidades, ou igual ou maior que 35, caso possuam doenças associadas à obesidade, principalmente diabetes, hipertensão e dislipidemias, tendo obrigatoriamente, a classificação “grave” por um médico especialista na respectiva área da doença. Também é obrigatória a constatação de “intratabilidade clínica da obesidade” por um(a) endocrinologista. 

Idade

A cirurgia pode ser realizada em  pacientes com idade entre 18 e 65 anos que possuam histórico de tratamentos clínicos de mais de dois anos, sem resultados efetivos. Para jovens entre 16 e 18 anos, sempre que houver indicação e consenso entre a família e a equipe multidisciplinar, que deve incluir um pediatra. Também é preciso observar se o adolescente já tem as cartilagens nas epífises de crescimento dos punhos consolidadas.

Já para menores de 16 anos, a intervenção só é permitida  em caráter experimental e dentro dos protocolos do sistema da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Nessa situação, o paciente deve ser operado com o consentimento da família, com avaliação de riscos pelo cirurgião e respectiva equipe multidisciplinar, além do registro e documentação detalhada.

Para idosos acima de 65 anos, é preciso também analisar cada caso, levando em consideração os riscos cirúrgicos, a presença de doenças relacionadas, expectativa de vida, benefícios do emagrecimento e limitações orgânicas da idade, como dismotilidade esofágica e osteoporose. No entanto, não existem contraindicações formais em relação a essa faixa etária.

Tempo da doença

Quando o paciente apresentar IMC e comorbidades dentro da faixa de risco já citada há pelo menos dois anos, além de ter realizado tratamentos convencionais prévios e tido insucesso ou aumento reincidente do peso. Toda a trajetória deve ser verificada pelo cirurgião no histórico clínico do paciente. 

Entretanto, o tempo de exigência em tratamentos clínicos não se aplica em casos de pacientes com IMC maior que 50 kg/m2 ou entre 35 a 50 kg/m2, com doenças de evolução progressiva ou risco elevado.

Confira a lista de doenças relacionadas à obesidade que justificam a indicação da cirurgia bariátrica em pessoas com IMC entre 35 e 40:

- Diabetes;
- Apneia do sono;
- Hipertensão arterial;
- Dislipidemia;
- Doenças cardiovasculares (incluindo doença arterial coronariana, infarto de miocárdio, angina, insuficiência cardíaca congestiva, acidente vascular cerebral, hipertensão e fibrilação atrial, cardiomiopatia dilatada);
- Cor pulmonale e síndrome de hipoventilação;
- Asma grave não controlada;
- Osteoartroses;
- Hérnias discais;
- Refluxo gastroesofágico com indicação cirúrgica;
- Colecistopatia calculosa;
- Pancreatites agudas de repetição;
- Esteatose hepática;
- Incontinência urinária de esforço na mulher;
- Infertilidade masculina e feminina;
- Disfunção erétil;
- Síndrome dos ovários policísticos;
- Veias varicosas e doença hemorroidária;
- Hipertensão intracraniana idiopática (pseudotumor cerebri);
- Estigmatização social e depressão.